sexta-azul:


já me matei faz muito tempo 

me matei quando o tempo era escasso 
e o que havia entre o tempo e o espaço 
era o de sempre 
nunca mesmo o sempre passo

morrer faz bem à vista e ao baço 
melhora o ritmo do pulso 
e clareia a alma

morrer de vez em quando 
é a única coisa que me acalma

Paulo Leminski

(Source: azzzzzzul, via misteriosdacarne)

(Source: ilusionism, via amoralegriaecervejafria)

(Source: flawlessparamore, via yorkconda)

"Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?"

Leminski, Razão de Ser.  (via oxigenio-dapalavra)

(via blocodo-eusozinho)

(Source: korrthy, via amoralegriaecervejafria)

(Source: caarioques, via amoralegriaecervejafria)

(Source: sou-inseguro, via amoralegriaecervejafria)

"Às vezes, não há nenhum aviso. As coisas acontecem em segundos. Tudo muda. Você está vivo. Você está morto. E as coisas continuam. Somos finos como papel. Existimos por acaso entre as percentagens, temporariamente. E esta é a melhor e a pior parte, o fator temporal. E não há nada que se possa fazer sobre isso. Você pode sentar no topo de uma montanha e meditar por décadas e nada vai mudar. Você pode mudar a si mesmo para ser aceitável mas talvez isso também esteja errado. Talvez pensemos demais. Sinta mais, pense menos."

Charles Bukowski.    (via acrescentada)

(Source: recomendar, via misteriosdacarne)

”[…]

E que essa tensão
que me corrói por dentro
seja um dia recompensada.

Porque metade de mim é o que eu penso,
mas a outra metade é um vulcão.

[…]”

(Source: peitomorto, via misteriosdacarne)

(Source: tattoos-and-modifications, via aholeintime)